Desencontros

Nossos relógios nunca se ajustaram. Nosso tempo nunca foi mesmo. Nossos pés nunca seguiram a mesma direção. Das vezes que nos cruzamos, nenhuma foi por inteiro. Nunca entendi. Você deixou as pegadas, eu segui, achei que chegaria em algum lugar, mas errei o caminho. Me enganei. Depois você veio. Ora estava aqui, ora ali. Por infinitas vezes, a vida interrompia nosso percurso. Eu partia, depois voltava. Éramos pura oscilação. Sempre freando, retrocedendo, indo e vindo. Você se desviando dos meus passos e eu dos seus. Até que um dia, eu perdi de vez a bússola que me levava até você. E quando você finalmente resolveu se ajustar ao meu relógio, era tarde demais. Você estava em horário de verão. E eu não.

Uma teoria sobre o amor

Engana-se aquele que acredita que o amor já basta para a felicidade de um casal. Eu tenho uma teoria: O amor é apenas 50% de um relacionamento.  Sem ele, impossível dar certo. Somente com ele, impossível do mesmo jeito. O amor não nos dá garantia de felicidade.

E onde estão os outros 50%? Estão distribuídos por aí, numa série de requisitos, conquistados dia após dia. Eles estão no respeito – esse é trivial, questão de sobrevivência mesmo. Quem respeita não ofende, não humilha, não trata mal, não aponta falhas, não difama, não trai. Do que adianta ouvir ‘eu te amo’ e não ser respeitada?

Estão na admiração, porque é necessário sentir orgulho pelo que vê no outro, orgulho de sua essência e de como ele encara e leva a vida. Na cumplicidade e no companheirismo, para todos os momentos. Para enfrentar lutas, dividir sonhos, superar perdas, levantar de quedas, almejar coisas e fazer planos. Um casal que não se apóia não pode dar certo. Amar é dar as mãos e caminhar juntos, vencendo os obstáculos que surgem no caminho.

Os 50% também estão na amizade, porque é importante se desligar um pouco das características romântico-sexuais e sentir uma dose de pureza, afeição e lealdade de um amigo verdadeiro. Para aconselhar, para compartilhar lamúrias e decepções, para secar lágrimas, para brincar, para poder contar sempre, em qualquer hipótese.

No equilíbrio, porque um amor saudável é feito do equilíbrio que um proporciona ao outro. A estabilidade que acalma a inquietude, a paz que silencia o medo, a paciência que releva o estresse, a alegria que combate o desânimo. Carinho, porque todo mundo precisa de um colo de vez em quando, porque o carinho é o gesto que fala pelo amor.

Os 50% de um relacionamento também estão na individualidade, porque um sentimento maduro é aquele que reconhece que envolve duas pessoas e não apenas uma.  E cada uma, tem as próprias necessidades, os próprios prazeres, a própria vida e precisa, obviamente, do próprio espaço. Não pode ser uma relação de dependência. O amor não deve servir para completar, mas sim para somar.

E, claro, na intimidade. A falta de vergonha é amiga íntima do amor. É preciso ter muita cara de pau para ser bobo, ridículo, intenso, louco e apaixonado. É preciso se sentir a vontade para falar sobre tudo, sem pudor. Sobre qualquer besteira, sem medo de parecer idiota. É preciso se permitir ser criança novamente, quando der na telha, sem medo de parecer imaturo. O amor que não tem liberdade e não se expulsa para fora do coração, de tão quieto, acaba estagnado.

Como já era de se esperar, é necessário também uma pequena porcentagem de compatibilidade, não falo características, já que a graça da vida está justamente no fato de aceitar os diversos gostos e personalidades. Falo da semelhança de objetivos, de projetos, de sonhos. Não importa o tamanho do amor, se os objetivos forem diferentes, mais cedo ou mais tarde, alguém vai ter que abrir mão de algo. Do amor ou dos sonhos.

E, por último, talvez a mais importante: A confiança. Essa é para o amor o que o oxigênio é para nós – Essencial. Creio que é impossível amar sem confiar, do contrário, o amor se resume em perseguições, ouvidos atentos demais, olhos abertos demais, mente preocupada demais e, quando você menos esperar, estará ridiculamente checando se há marca de batom na roupa dele ou coisas do tipo.

Amar é relaxar e se entregar sem medo de ser feliz. Sem conspirar, sem tentar maquinar algo pra descobrir onde e com quem ele passou a tarde. Confiar vale a pena, até que o contrário nos seja provado. E quando isto acontecer, ainda que doa, o amor deve partir, penso eu. Pois assim como a delicadeza de um cristal, uma vez destruída, a confiança jamais se reconstitui.

Guardado

O amor, quando chega, é tão avassalador muita gente sai anunciando esse momento especial para Deus e o mundo. A felicidade é tamanha que desabafar é uma forma de compartilhar os friozinhos, os calafrios, as bobices.  Até aí tudo bem.  O triste é que, ultimamente, o amor está banalizado demais. Ama-se fácil, entrega-se fácil, faz-se juras de amor fácil demais.

Compartilhar a felicidade é uma coisa, compartilha-se com uns, com os mais íntimos, com aqueles que conhecem a nossa alma e que realmente torcem por nossos sorrisos. O que vemos por aí são casais que mal se conhecem e se declaram publicamente “Felizes para sempre”.  O profile das redes sociais passa a ser de ambos – excluindo a individualidade de cada um- e as fotos românticas acompanham declarações precipitadas como “Para sempre te amarei”, ou “Amor igual ao teu eu nunca mais terei”.

O engraçado é que já vi essa cena acontecer com uma só pessoa diversas vezes. Meses depois, o amor mudou de nome, endereço e telefone. O álbum foi renovado e o coração passou por uma faxina das boas. Esquece-se completamente o anterior e os verbos mudam de sujeito e predicado. Troca-se de amor como troca-se de sapatos. Jura-se amor eterno sem considerar o peso das palavras. Ama-se fácil, promete-se em vão.

O amor, o amor mesmo, aquele verdadeiro, não precisa ser ostentado. Ele quieto, já diz muito. E quando diz, diz direto a quem interessa. Diz com um olhar, com uma mensagem secreta, com um abraço sincero, um beijo doce e de outras infinitas formas. Basta que a certeza esteja ali, no coração de quem sente. Nada mais. O companheirismo e os momentos de carinho, ainda que intensos, merecem ser guardados a sete chaves. Ninguém precisa pensar que vocês são o casal mais feliz do mundo, e mesmo que sejam, isso não precisa ser exibido como um troféu.

Acredite, o amor é algo tão valioso que guardado fica mais seguro.

Pausa para o amor

Chegada do Carnaval aumenta o número de solteiros no Facebook e assusta Mark. Esta foi a notícia que saiu um dia desses no portal G17.

Não foi só o Zuckerberg que se assustou. Eu, mesmo sabendo que isso acontece (mesmo!), ainda me assusto ao constatar que existem notícias assim, relacionamentos assim e, principalmente, homens assim.

É impressionante como nessa época todo mundo resolve entrar em “crise”. Qualquer coisinha é motivo de término em vésperas de folia. “Preciso de um tempo, meu bem, nosso relacionamento caiu na rotina, está desgastado.” Há-há. Não me diga. E só agora você se deu conta disso, bebê?

Pausa para o amor. O carnaval chegou. O cara embarca com os amigos para a curtição e, sem olhar pra trás, deixa a namorada aqui, apenas com um controle remoto para assistir as escolas de samba pela TV. Tudo isso por um feriado de quatro dias, regado a cerveja, vodka, cachaça, azaração, e beijo na boca em um bando de desconhecidas no cio. (Estou generalizando, meninas).

Será que isso vale mesmo a pena? Sério, não consigo acreditar que um homem que se preze, um homem de verdade, possa largar tão facilmente alguém que, até ontem, ele dizia amar. Cumplicidade, momentos de carinho, companheirismo: tudo invalidado por causa de uma data idiota.

Tenho pena desse tipo de homem. (Digo homem, porque, geralmente, são eles é que realizam essa proeza, mas há exceções, claro. Embora eu acredite que seja raro uma mulher agir assim). Isso pra mim é fraqueza de personalidade e imaturidade. Talvez o cara até goste da garota, mas ele não pode bancar o babaca (de fato ele é um) pros amigos. É uma espécie de complô: Início de fevereiro se aproxima, os solteiros evitam se amarrar e os comprometidos dão um jeito de se desenrolar. Caso não desenrolem, o jeito é pular a cerca mesmo.

Mas besta mesmo é a mulher que se permite ficar em depressão por um crápula desses. Esperta é aquela que se valoriza, ergue a cabeça, faz da canalhice dele uma força para desprezá-lo e, assim, dá a volta por cima.

Avançou o calendário. O carnaval acabou e o ano, de fato, começou. A vida segue seu ritmo e tudo volta ao normal. Rotina, trabalho, estudos, finais de semana chuvosos, vontade de ficar quietinho em casa. Passou a empolgação. Ihh, bateu aquela saudade. Ele cria coragem e tenta recuperar seu amor. Ela diz: O amor ? Ahh…Esse você esqueceu em algum canto do Rio de Janeiro, Salvador, Diamantina, Ouro Preto, Pompéu, que seja.  O único amor que restou aqui é o meu próprio. Quanto a você, espero, de coração, que tenha tido um feriado incrível, pois o meu não poderia ter sido mais produtivo: Serviu para ver o quanto eu me enganei com você, com a gente. Be Happy !

Palavra do dia – Caio F. Abreu

Sabe, eu me perguntava até que ponto você era aquilo que eu via em você ou apenas aquilo que eu queria ver em você, eu queria saber até que ponto você não era apenas uma projeção daquilo que eu sentia, e se era assim, até quando eu conseguiria ver em você todas essas coisas que me fascinavam e que no fundo, sempre no fundo, talvez nem fossem suas, mas minhas, e pensava que amar era só conseguir ver, e desamar era não mais conseguir ver, entende?

– Caio Fernando de Abreu –

Palavra do dia – Martha Medeiros

“Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche”.

– Martha Medeiros –

Mania de querer MAIS

Mania de querer MAIS

É, eu tenho a mente inquieta e o coração faminto. Tenho sede de viver, sede de sonhar, sede de amar.

Eu quero. Quero mais cor, mais brilho, mais intensidade. Quero mais insanidade, mais aventura, menos preocupação e um pouco de irresponsabilidade. Quero menos palavras e mais ações.

Quero ser surpreendida, quero vê em seus olhos a vontade de me levar pra qualquer lugar sem olhar para trás. Quero me deitar no seu ombro e admirar as estrelas.

Quero ouvir você cantar no meu ouvido, gestos inusitados num dia comum, quero perder o fôlego, quero um amor sem sentido, quero voltar pro século XVIII, quero mais romantismo.

Quero até as lágrimas depois das nossas brigas bobas , um abraço acolhedor e um beijo dado como se fosse o último. Quero a sua paz para inquietar minha pressa, sua calmaria para equilibrar meu gênio forte, quero seu abrigo, quero o sossego de estar com você depois de um dia tedioso.

Quero mais amor. Quero um refúgio para escapar da realidade dolorosa, da rotina maçante, da vida agendada.

Eu sei, você me acha louca.. Você não tem culpa da minha urgência, da minha mania de querer demais, de sonhar demais, de fantasiar demais. Me regula, me  julga chata, dramática, exagerada, autoritária. Tenta frear meus impulsos e minhas ousadias.

Pode parecer demais, eu sei. Se você quiser, pode até me dizer milhares de frases bonitas, elas até soam bem aos ouvidos, mas não me satisfazem, não matam a minha sede. Que culpa tenho eu de amar demais, sofrer em excesso, acreditar ao extremo. Sou assim, o morno nunca me fascinou.

Pode parecer ilusão, eu também sei. Mas, se você pensar bem, verá que não estou pedindo tanto assim. Só quero ser feliz ao meu modo e ver o clássico “Eu te amo” materializado em gestos impensados, imprevisíveis, insanos e verdadeiros.

Amores são coisas da vida

   

As pessoas podem ter as diferenças mais escandalosas, ser completamente opostas no modo de pensar, nos valores, nos ideais, mas, em um ponto, todos somos consensuais:  Amar é fundamental. O amor traz cores a nossos dias cinzentos, traz energia aos dias que se arrastam, traz fantasia para aliviar o choque de realidade.

Ah, o amor. Ele é essencial em todas as suas formas.  Amar a vida, amar o trabalho. Amar a família, amar os amigos, amar a natureza, amar os animais, amar as coisas simples da vida, amar o próximo, amar a si mesmo. Cada um ama de um jeito, – eu amo de forma exagerada, intensa -, outros simplesmente amam, de forma singela, mais branda. Uns amam silenciosamente, discretamente, outros amam aos gritos. Uma coisa é fato: O amor nunca é racional. Mesmo sabendo que esse, inevitavelmente, vai nos derrubar algumas lágrimas, sempre queremos sentí-lo. Queremos, desesperadamente, amar e ser amados.

Amores não correspondidos – os mais tristes – mas existem aos montes. Amores perdidos, que machucam, corroem por dentro e continuam intactos. Amores passageiros, amores de verão, que se vão com o vento, mas deixam lindas lembranças. Amores mal resolvidos, interrompidos… Que nos fazem tentar prever um futuro que poderia ter sido. Amores antigos que resistem ao tempo. Amores puros que nascem de uma amizade. Amores que são construído com a convivência. Amores indiscretos. Amores insensatos. Amores proibidos.

Amar é se sentir seguro, protegido. É ser o mundo de alguém e ser o mundo para alguém. Ah, como o amor é lindo! Mas como ele seria ainda mais lindo – e menos doloroso – se não colocássemos sobre ele toda a responsabilidade por nossa felicidade. Uma parcela considerável de nossa felicidade depende do amor? A minha resposta é sim. Mas, não se iluda, a única metade da laranja que pode te completar é você mesma, com sua própria maneira de encarar e viver a vida. Fazer dos seus dias mais felizes é uma tarefa sua e, neste caso, o amor é apenas a cereja do bolo. Aliás, uma cereja indispensável.

O amor e o desejo


Muitos dizem que a felicidade só é encontrada quando o amor bate a nossa porta. Frio na barriga, coração batendo forte e todos aqueles clichês quando o assunto é amor. Concordo plenamente, se existe felicidade, sem o amor é que não há de ser.

Mas, será mesmo que o amor deixa de ser amor quando essas sensações gostosas se emudecem nos relacionamentos?

Li algo parecido no livro “Por que os homens amam as mulheres poderosas” (sim, eu li, é ótimo, e nada tem a ver com auto-ajuda). A autora diz que as pessoas, os homens em especial, estão sempre em busca de um objetivo mental. Ou seja, as mulheres não devem deixá-los 100% seguros porque, assim, o desejo acaba.

Anos de convivência, você o ama, ele te ama. Mas, então, por que será que ele não sente mais o acelerar do peito quando ouve a sua voz no telefone? Simples, porque você já é, de certa forma, dele. Só desejamos aquilo que não nos pertence.

Vejamos um exemplo. Você está doida para comprar aquela roupa linda que viu na vitrine e, quando compra, fica hiper feliz, quase em lua de mel com o modelito. Mas, algum tempo depois, você já se acostuma com a roupa e, embora  ainda goste dela, sente necessidade de comprar outra e outra, e assim vai. Só para ter aquela sensação gostosa pós-compra. (Tudo bem, o exemplo foi infeliz)

Então. Ele te ama e ainda te acha linda e atraente. Vocês adoram estar juntos. Mas aqueles efeitos colaterais que nos deixam abobados diante de alguém é prioridade de dois corações que ainda estão se conhecendo, sendo conquistados..Que ainda não se pertencem, que ainda não conviveram dias a fio. Calma lá, isso não quer dizer que um de vocês deva sair atrás de “novas roupas” por aí! Não me entendam mal. O que quero dizer é: O amor possui fases  e a fase da conquista é apenas a primeira delas.

Ingênuo é aquele que embarca em uma traição em busca de sentir novamente o coração palpitante. Adivinhe: Mais cedo ou mais tarde, as borboletas no estômago vão desaparecer novamente.  E essa busca será incessante e inútil. Falta de romantismo? Não, apenas realismo. Acredite, romântica como sou, também custei a entender isso.

Já dizia o Cazuza, eu quero a sorte de um amor tranqüilo. Desejos passam, o amor fica. E, este, por sua vez, é paciente, puro, fiel, compreensivo e, acima de tudo, maduro.

Tudo ainda está aqui.

O mundo ainda existe. Eu achei que ele ia desabar quando você deixou de fazer parte dele, mas, por incrível que pareça, ele ainda sobrevive. O céu também. Mais cinzento aos meus olhos, mas ainda está lá quando olho pra cima. Nossa casa ainda está aqui, no mesmo endereço, do mesmo jeito. A aparência interna está um pouco diferente, fizemos algumas reformas, (inclusive agora tem o portão eletrônico que você tanto queria… lembra como era ruim ter de sair do carro para abrir? Rs) mas não nos mudamos. Apesar de todos os cantos terem uma lembrança sua, eu prefiro isso a ter que me mudar para uma casa onde você não esteve, não pisou, não dividiu momentos comigo. Suas roupas, nem todas estão mais aqui. Demos algumas para familiares, amigos ou para necessitados. Mas ainda temos algumas, aquelas que você gostava mais, por exemplo. Sou mórbida mesmo, aquele seu blusão roxo eu guardo comigo, lembro até da última vez que você o usou e nunca o lavamos. Enfim, seu quarto ainda está aqui, bom, na verdade não mais com suas coisas, doía muito ir ao banheiro de madrugada, passar pela sua porta e me dar conta de que você não dormia mais na sua cama, intacta, arrumadinha demais. Mas ele ainda está aqui, sempre será seu quartinho. As pessoas ainda estão ai, algumas se foram depois de você, como a nossa bisavó e nossa avó, mas a maioria está aí, levando suas vidas em frente, trabalhando, estudando, batalhando. Aliás, não temos escolhas, temos? A vida não nos dá a opção de parar, ela exige movimento. Confesso que, para a maioria das pessoas, tudo permanece exatamente do mesmo jeito, a vida delas está, digamos, normal, plena. Não que elas não te amem como nós, era impossível não amar você, mas a dor não deixou cicatrizes nelas como deixou em nós, aqui de casa. Esse buraco só é aberto no peito de quem esteve a vida inteira ao seu lado e jurava que duraria para sempre. Os restaurantes que você gosta, os filmes, os jogos, os brinquedos, seus amigos, tudo está aqui ainda. Seus amigos estão crescendo e eu perdi a referência, o parâmetro para saber a idade deles. Me assustei quando soube que o baile de formatura, que também seria o seu, aconteceu. Me toquei que hoje você já seria um homem e não mais aquele garoto que sempre vou ter em mente. Tudo está, aparentemente, normal. Até as luzes de natal estão aí, firme e forte pela cidade. As coisas que nos deixavam felizes ainda existem, mas perderam aquele sabor, sabe? Aquela sensação de vida leve, tranqüila, divertida… quando tudo o que te falta são apenas coisas e não pessoas, não você. Enfim, como eu venho dizendo, quase tudo ainda está aqui. Eu, afinal, percebi que as coisas não se desmoronam quando a gente pensa que vão desmoronar, não acabam quando a gente quer que acabem, elas perdem o sentido que tinham, claro, mas resistem a essas tempestades da vida. A força que acreditamos que não temos (e não temos mesmo) surge de algum lugar, como se a única opção fosse segurá-la e, então, a gente se segura nela e vai, meio que por impulso. Talvez fingindo que você está apenas fazendo uma viagem ou algo do tipo. Só que, às vezes, essa mesma força sai de cena, nos fazendo desativar o piloto automático e se entregar a fraqueza. Mas, depois de um tempo, ela resolve voltar para novamente nos dar a bengala que sustenta a caminhada. Eu também estou aqui, embora uma parte tenha ido com você. Embora sem aquela ‘eu’ inocente, sonhadora e cheia de manias infantis que só você entendia. A ‘eu’ de hoje é mais realista, pé no chão e insegura com relação à vida, vida que se mostrou muito frágil com a sua partida repentina. Mas essa EU, que ainda está aqui, é a mesma irmã, fã, admiradora, puxa-saco, que nutre e sempre vai nutrir um amor imensurável por você. Há momentos que eu sinto que minha vida é um quebra-cabeça que nunca será completado. Mesmo que tudo daqui em diante dê certo, mesmo que eu consiga encaixar todas as peças, ele nunca será finalizado, sempre vai faltar a sua peça. A sua presença. Vai faltar você. E essa falta não vai passar, eu sei, só mudar. Como diz a sábia Martha Medeiros, o tempo não cura nada, só tira o incurável do centro das atenções….

Entradas Mais Antigas Anteriores

Posts

julho 2017
T Q Q S S D S
« fev    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Blog Stats

  • 5,241 visitas
%d blogueiros gostam disto: