Apenas um desabafo

Não sou alguém fácil de conviver, sei disso. Faço tempestades, ajo por impulso, e às vezes me arrependo. Tenho uma TPM destruidora e sou sensível ao extremo, se estou triste, choro litros, mas se estou alegre, solto sorrisos até as orelhas e tento contagiar o ambiente.  Tenho mania de sinceridade constante, e por isso, acabo magoando certas pessoas, com essa coisa de falar sempre o que eu penso. Entendo, nem todo mundo é igual a ninguém, tem gente que entende essa minha franqueza como “tirada” ou “arrogância”. Mas quem me conhece sabe que sou assim. Não guardo o que sinto, especialmente se tenho intimidade com você. Falo mesmo. Falo sobre o que me agrada, sobre o que me incomoda. Se você me chateou, não vou fechar a cara, me afastar e ficar fria sem te dar explicações, esperando o tempo ajeitar as coisas.  Vou te procurar,  abrir o jogo, explodir sobre tudo o que penso e tentar resolver, com a maior boa vontade do mundo. Ao menos que você não faça diferença para mim. Mas sabe, gosto de ser assim, sabe por quê? Às vezes magoamos as pessoas sem intenção, a gente erra e nem sabe. Seria bom que as pessoas, ao invés de se afastarem e se perderem, fossem abertas: “Olha, não gostei do que você fez” ou “O que eu fiz para te magoar?”.  Se gosto de você, luto para ficar bem com você. Outra coisa, não faço nada que me desagrade para agradar aos outros, aprendi isso com minha mãe. Um pouco de egoísmo é necessário, por questão de sobrevivência mesmo. Se você me convidar para um programa, e eu for, pode ter certeza absoluta de que ali eu queria estar, não fui por consideração, educação e afins.  Fui porque  quis e ponto. A pior coisa é fazer algo contra a própria vontade. Sou uma boa amiga, sempre valorizei amizades. Sei dar conselhos, adoro ajudar, tenho até um lado psicóloga, eu acho. Sei consolar meus amigos, sei chorar com eles, sei passar a mão na cabeça, mas também sei dar bronca. Já que me pediu conselho: agora agüenta. E Tenho um grande defeito: Não sei engolir sapos. Tem coisa que não desce, sabe? É mais forte que eu. Sou muito bacana, até que pisem no meu calo ou no calo de quem eu amo. (Sim, eu tomo as dores pelas pessoas significantes na minha vida). Não tolero ofensas, falta de educação, falsidade, cinismo. Ignoro quem não gosta de mim, afinal, é impossível agradar a todos. Mas não sei me calar diante de certos absurdos. Também sei ser má, afinal, ninguém é bonzinho o tempo todo. Tenho uma amiga que já até me pediu um favor muito engraçado, uma vez.  Era para fazer uma carta falando umas ‘verdades’ para uma pessoa, como se fosse ela. Quando perguntei por que fui escolhida ela disse “Você é boa com as palavras, sabe machucar, sabe atingir a pessoa”. Eu podia considerar isso como uma crítica, mas confessei: “É, quando eu quero, eu sei mesmo”. E também sei reclamar meus direitos e valorizo um bom atendimento. Não volto a um lugar em que fui mal atendida, jamais. Tenho bom humor e adoro que me façam rir, rir muito, de verdade. Mas não sei rir de tudo. Às vezes, as pessoas riem exageradamente de coisas banais e eu fico achando que tenho algum problema, sei lá. Não sei forçar. Ahhh, também não sei suportar quem não me faz bem, procuro me afastar e mantenho pertinho só quem me faz mais feliz. Gosto de ambientes leves, sem conspirações, sem olhares desconfiados, sem sorrisos forçados. Gosto da transparência. Outra coisa, não sei esconder minha dor, às vezes ela extrapola para fora de mim, me entrega no olhar, no sorriso sem graça de canto de boca e às vezes acaba escorrendo pelos olhos. Tenho o gênio forte, não sou boba, mas sou boa. Sei dizer não quando preciso, mas não sei dizer não para vendedores ambulantes de balas, de pano, de agulha, caneta ou qualquer outra bugiganga. Algo dentro de mim me toca e me incomoda, fazendo eu me sentir na obrigação de comprar, apenas para ajudar. Imagino as dificuldades que a pessoa enfrenta e de como aquele dinheiro será importante para ela.  Ahh, enfim, sou um amontoado de coisas, sentimentos e sensações. Por trás desta casca de durona, determinada e decidida, há alguém sensível e, diversas vezes, insegura, sem chão, sem rumo. Mas sempre me levanto e prossigo. Tenho traços que são qualidades aos olhos de uns e defeitos aos olhos de outros… Nada é definido, tudo sempre relativo. Mas o que importa é que estou sempre em busca de me tornar melhor aos meus olhos. Luto, diariamente, e peço a Deus para me tornar alguém mais forte, mais sábia, mais feliz. Claro, sem deixar de ser eu mesma.

Anúncios

1 comentário (+adicionar seu?)

  1. Ale
    fev 04, 2012 @ 19:53:06

    Menina,

    Viver é uma gangorra,

    E todos nós temos nossos dias ruins,

    Que tudo vá pelo caminho mais doce,

    Responder

Suas palavras motivam as minhas

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Posts

fevereiro 2012
T Q Q S S D S
« jan    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829  

Blog Stats

  • 5,290 visitas
%d blogueiros gostam disto: